Número total de visualizações de página

26 dezembro, 2005

BEM-VINDO 2006!

Uma nova esperança desponta para a...

SEM...

violência

exploração de menores

racismo

pobreza

tráfico humano

sem... sem... sem...

Já agora vale a pena pensarmos nisto!

19 dezembro, 2005

O Menino Jesus Nasce


O Menino Jesus nasce pobre numa humilde manjedoura,
os pais com muita doçura envolvem a sua figura redentora
O Filho de Deus nasce sem riquezas, luxos ou mordomias
os reis magos vêm adorá-lo, fazendo cumprir as profecias.
  • BOAS FESTAS E FELIZ NATAL PARA TODOS!

12 dezembro, 2005

Parceria Ásia-Pacífico

Desenvolvimento Limpo?

Os Estados Unidos anunciam de forma clara que se manterão à margem de qualquer compromisso quanto às metas de redução de emissões do Protocolo de Quioto, estando mais empenhados na Parceria Ásia-Pacífico para o Desenvolvimento Limpo e o Clima assinada em Julho deste ano, embora só seja formalmente criada em Janeiro de 2006, em Sidney, na Austrália, que engloba a Austrália, o Japão, a Índia, a China e a Coreia do Sul, visando as alterações climáticas e a "erradicação da pobreza e desenvolvimento sustentável".

Quando os Estados Unidos foram interpelados, na 11ª Conferência Sobre Alterações Climáticas, em relação ao apelo proferido pelo primeiro-ministro do Canadá a uma "resposta global" às alterações climáticas, a líder da delegação americana Dobriansky retorquiu que o seu país desenvolvia, desde há cinco anos, projectos tecnológicos e de pesquisa, um investimento de “20 mil milhões de dólares”, bem como apostado em compromissos com “15 países e organizações” no desenvolvimento de projectos de emissões mais limpas e realizado experiências no domínio do “hidrogénio, nuclear e retenção de carbono”.

Estarão os Estados Unidos a iludir o mundo?

E a Austrália, sua parceira, estará a divagar quando defende que os limites à emissão de gases precisa reconhecer simultaneamente as necessidades dos países ricos e pobres?

E a China e a Índia? Porventura são as grandes esquivas dos acordos?
Ratificam o Protocolo de Quioto, na condição de países em desenvolvimento, logo não estão obrigadas a cumprir as metas, por ele estabelecidos. Agora, fazem parte da Parceria Ásia-Pacífico para o Desenvolvimento Limpo e o Clima, embora se saiba que a sua economia depende essencialmente do petróleo e do carvão.

Que céus nos próximos tempos?

Mais informações:

http://www.acores.net/noticias/view-8585.html
http://agenciact.mct.gov.br/index.php?action=/content/view&cod_objeto=28010
http://www.portugaldiario.iol.pt/noticia.php?id=615820&div_id=291
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=114&id_news=203711

10 dezembro, 2005

Quioto Continua...

Encerramento da 11ª Conferência sobre Alterações Climáticas, após 13 dias de trabalho, que decorreu na cidade de Montreal, de 28 de Novembro a 10 de Dezembro de 2005

Hoje, 10 de Dezembro, terminou a 11ª conferência sobre Alterações Climáticas, um dia depois da data formalmente prevista, com boas perspectivas para a continuidade do Protocolo de Quioto.

Esta Conferência fica marcada pelo início do processo para determinação da 2ªfase do Protocolo de Quioto, subsequente a 2012, prevendo-se um esforço maior nas negociações, com vista à redução dos gases que provocam o efeito de estufa e maior cooperação activa internacional no combate às alterações climáticas, contando-se com o envolvimento dos Estados Unidos.
:::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::
Efeito de Estufa

E Portugal?

Portugal é o país da união europeia que mais gás de efeito de estufa emite para a atmosfera, logo seguido da Grécia e da Espanha. Prevê-se que o nosso país vai aumentar para 42,2% a emissão de gases em 2012.

Ao nosso país resta-lhe sujeitar-se à variabilidade dos preços do carbono ou ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), investindo em projectos de energias renováveis ou gestão sustentável de florestas em países em desenvolvimento.

A Quercus pretende saber como vai Portugal angariar dois milhões de euros que se considera necessário para cumprir o Protocolo de Quioto, mais de metade do aeroporto da Ota, na compra de emissões de dióxido de carbono.

01 dezembro, 2005

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS



Após Quioto, 1ª Conferência Mundial sobre as Alterações Climáticas a decorrer na cidade de Montreal, Canada de 28 de Novembro a 9 de Dezembro de 2005, reunindo aproximadamente 200 paises à volta das regras de emissões e mecanismos de desenvolvimento limpo.

Os Sinais da Terra?...

Inundações (China)

Furacões (Katrina)

Secas (Barragem de Alandroal - Évora)

1ª CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE ALTERAÇÕES ATMOSFÉRICAS

A 28 de Novembro iniciou-se a 1ª Conferência Mundial sobre as Alterações Climáticas das Nações Unidas, após a entrada em vigor do Protocolo de Quioto a 16 de Fevereiro deste ano. Esta Conferência decorre em Montreal, no Canada, até ao dia 9 de Dezembro e concentra representantes de aproximadamente duzentos países para negociar um problema que põe em perigo o futuro ambiental do planeta.

Os temas principais em discussão:

·
As alterações climáticas globais, evidências e impactes (secas, furacões, cheias…);
· Redução de emissão de gases que causam o efeito de estufa. Que objectivos após 2012?
· Estratégias para envolver os países em desenvolvimento;
· Que tipo de inclusão para os Estados Unidos mediante as necessidades e/ou obrigações incrementadas?

A partir de 30 de Novembro, o Protocolo de Quioto ficou operacional, após a adopção formal de 30 resoluções tomadas em Marraquexe (2001) que estabelecem as regras da troca de direitos de emissões. “O carbono tem agora valor no mercado (…) investir em projectos de desenvolvimento sustentável e de redução de emissões passa a fazer sentido” (Kinley, R., 2005)
[1]
Ficou determinado, também, o mecanismo de desenvolvimento limpo, que possibilita aos países industrializados fomentar projectos de desenvolvimento sustentável nos países em desenvolvimento, recebendo em troca licenças de emissão. Inclusive adoptaram-se várias considerações operacionais em relação ao modo de contabilização das emissões de cada país e à medição da absorção de CO2 (dióxido de carbono) pelas florestas e solos agrícolas.

Estas decisões foram tomadas em sessão plenária, à qual a Austrália e os Estados Unidos, que não assinaram o Protocolo, assistiram como observadores.




Para mais informações consultar:

http://www.naturlink.pt/
http://ecosfera.publico.pt/
http://www.naturlink.pt/canais/Artigo.asp?iArtigo=2049&iLingua=1



[1] Director do Secretariado da ONU para as Alterações Climáticas in http://ecosfera.publico.pt/destaque/clima8.asp