Número total de visualizações de página

01 dezembro, 2005

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS



Após Quioto, 1ª Conferência Mundial sobre as Alterações Climáticas a decorrer na cidade de Montreal, Canada de 28 de Novembro a 9 de Dezembro de 2005, reunindo aproximadamente 200 paises à volta das regras de emissões e mecanismos de desenvolvimento limpo.

Os Sinais da Terra?...

Inundações (China)

Furacões (Katrina)

Secas (Barragem de Alandroal - Évora)

1ª CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE ALTERAÇÕES ATMOSFÉRICAS

A 28 de Novembro iniciou-se a 1ª Conferência Mundial sobre as Alterações Climáticas das Nações Unidas, após a entrada em vigor do Protocolo de Quioto a 16 de Fevereiro deste ano. Esta Conferência decorre em Montreal, no Canada, até ao dia 9 de Dezembro e concentra representantes de aproximadamente duzentos países para negociar um problema que põe em perigo o futuro ambiental do planeta.

Os temas principais em discussão:

·
As alterações climáticas globais, evidências e impactes (secas, furacões, cheias…);
· Redução de emissão de gases que causam o efeito de estufa. Que objectivos após 2012?
· Estratégias para envolver os países em desenvolvimento;
· Que tipo de inclusão para os Estados Unidos mediante as necessidades e/ou obrigações incrementadas?

A partir de 30 de Novembro, o Protocolo de Quioto ficou operacional, após a adopção formal de 30 resoluções tomadas em Marraquexe (2001) que estabelecem as regras da troca de direitos de emissões. “O carbono tem agora valor no mercado (…) investir em projectos de desenvolvimento sustentável e de redução de emissões passa a fazer sentido” (Kinley, R., 2005)
[1]
Ficou determinado, também, o mecanismo de desenvolvimento limpo, que possibilita aos países industrializados fomentar projectos de desenvolvimento sustentável nos países em desenvolvimento, recebendo em troca licenças de emissão. Inclusive adoptaram-se várias considerações operacionais em relação ao modo de contabilização das emissões de cada país e à medição da absorção de CO2 (dióxido de carbono) pelas florestas e solos agrícolas.

Estas decisões foram tomadas em sessão plenária, à qual a Austrália e os Estados Unidos, que não assinaram o Protocolo, assistiram como observadores.




Para mais informações consultar:

http://www.naturlink.pt/
http://ecosfera.publico.pt/
http://www.naturlink.pt/canais/Artigo.asp?iArtigo=2049&iLingua=1



[1] Director do Secretariado da ONU para as Alterações Climáticas in http://ecosfera.publico.pt/destaque/clima8.asp

6 comentários:

Jaime Lazo disse...

Enjoy Forever.-

Desambientado disse...

Apesar do esforço que fazemos, apesar das muitas vozes que se começam a levantar, parece-me que sem activismo, pouco se conseguirá fazer.

Natália de Abreu disse...

Atenção!
O activismo pode não estar presente, mas há pessoas que estão sempre ALERTA e curiosos por mais um post.

Força!

Desambientado disse...

Desculpa Manuela, utilizar o te blog para responder à Natália.
-Não creio que a informação por si só seja capaz de mudar o mundo. Tem que haver uma autodeterminação que fará uso dessa mesma informação. Não bastará ler postes, interessará rentabilizá-los. Ou não será assim?

Fátima Silva disse...

Bom... Antes de mais, não sou Manuela, mas sim Fátima. Agradeço o entusiasmo com que argumentaram no meu blog e gostaria de eu própria contribuir um pouco mais para essa discussão.
À Natália quero manifestar o meu agrado pela sua comparência e registo no blog e dizer-lhe que de facto os postes têm contribuído muito para a reflexão das nossas atitudes, aumentar o conhecimento e, sobretudo despertado o apetite para aprofundar determinadas questões. Este conjunto de factores amplia a nossa visão sobre o mundo e amadurece-nos perante iniciativas futuras neste âmbito, pelo menos tem acontecido comigo.
Também concordo com o Desambientado, quando diz que há necessidade de maior activismo, para que a mudança efectivamente aconteça, pensando nos milhares que não têm acesso a este tipo de informação e se têm não estão envolvidos como estamos, logo existe o inevitável distanciamento e descomprometimento, tão característico na nossa sociedade.
Continuemos a falar destas questões para que consigamos ser vectores de mudança e impulsionadores de uma nova dinâmica. Muito obrigada aos dois.
Fátima

Desambientado disse...

Fátima, desculpa. Tinha acabado de ler o Clima Louco da Manuela e saltei para o teu.
Estamos todos em sintonia nesse período de discussão de Alterações Climáticas e Protocolo de Quioto.
Pelos vistos acabamos por fazer uma bela rede que discute essas temáticas.
Precisamos efectivamente de trazer outros para a discussão, para não corrermos o risco de sermos uma sociedadesecreta informatizada.