Número total de visualizações de página

23 fevereiro, 2006

A UM CAGARRO...

...que partiu...

... junto à montanha do Pico...
...nos braços da vila das Lajes...
...do coração do Castelete.
Boa viagem cagarro...
aqui te deixo a minha homenagem sentida!!!!
Fotografias da autoria de diversos autores, publicadas na Web.

20 fevereiro, 2006

UMA MONTANHA... A ILHA DO PICO



O PONTO MAIS ALTO DE PORTUGAL!!!!
O Pico é uma montanha que se desenvolve em torno de um vulcão com 2351 metros de altitude, sendo o ponto mais elevado de Portugal; possui mais 358 m que a Serra da Estrela que é ponto mais alto de Portugal Continental, com altitude máxima de 1993 m.
Numa extremidade da cratera, o cone vulcânico do Piquinho ou Pico Pequeno, com cerca de 70 m de altura, de cuja base emanam "fumarolas" constitui o cume da montanha. Coberto de espesso arvoredo até cerca dos 1500 m, a partir desta altitude domina a vegetação rasteira, que termina, aproximadamente aos 2000 m, ficando o cone de lavas escavado e nu, que no Inverno se cobre de neve.

A Montanha do Pico foi classificada desde 1972 como Reserva Natural e está incluída na rede natura 2000 como sítio de importância comunitária (SIC), pois a sua variedade de biótopos, ecossistemas e paisagens propiciam grande variedade de habitats, albergando elevada diversidade de espécies, sendo muitas endémicas. É o caso da floresta laurissilva (vegetação primitiva do terciário); das inúmeras cavidades existentes que possuem abundância de fauna cavernícola e do valor paisagístico que proporciona a todos pinturas vivas imemoráveis das ilhas do grupo central banhadas por um imenso oceano que as fustiga ora azul, ora cinzento na expressão máxima da sua pujânça.
É a maior ilha do Grupo Central, encontrando-se a 8 Km de distância da ilha do Faial e a 15 K da ilha de São Jorge, com uma área de 447 km2, dominada na sua parte ocidental pela cultura da vinha que produz o famoso "verdelho do Pico".

Compõe-se de um amplo campo de lava, onde as videiras estão encrustadas nas camadas de basalto, originando vinho de excelente qualidade.
A testemunhar a importância da cultura do vinho ao longo tempo podem-se encontrar as rilheiras, que são marcas deixadas nas rochas pelos carros carregados de pipas, puxados por bois; as rampas esculpidas na pedra para rolar as pipas até ao porto e os próprios portos e embarcadouros.

Ilha de mistérios e de encanto, contém o mais elevado número de cavidades vulcânicas existentes no arquipélago (perto de 80), das quias se destaca a Gruta das Torres. Constitui o maior tubo lávico da região, com 5.150 metros de comprimento e 15 metros de altura. No seu interior podem-se encontrar ricas formações geológicas (estalactites e estalagmites lávicas, paredes estriadas, lavas encordoadas...). A entrada da gruta é formada pelo Algar da Ponte, onde existem fetos, musgos e também líquenes.
Os Arcos do Cachorro compõem-se de uma formação rochosa com a configuração do focinho de um cão deu o nome a esta zona. São impressionantes aglomerados de lavas perfuradas por numerosos túneis e grutas, por onde o mar passa em turbilhão, penetrando pelos diversos túneis feitos pela erosão, fazendo efeitos interessantes.

No entanto, os sítios mais emblemáticos desta ilha são: a Zona Central do Pico, a Montanha, a Prainha e o Caveiro. Pois para além de possuirem uma paisagem de inegável beleza, possuem uma riquíssima e exuberante vegetação como as turfeiras altas e de cobertura, o azevinho e cedro-do-mato, muito características de zonas húmidas. Habitat identificado na Directiva Habitats como laurissilvas macaronésicas.
Nas imediações da Montanha deparamo-nos com a Lagoa do Capitão. É um local com riquíssimos cobertos vegetais, muitos dos quais endémicos: o trovisco-macho; cedro-do-mato, teixo (com poucos exemplares).
Em zonas de média altitude encontra-se o pombo-torcaz-dos-Açores e o milhafre.
Pombo-torcaz-dos-Açores

Milhafre

O "mistério" da Praínha, das Bandeiras na costa Norte da ilha e o de São João na costa Sul são Campos de lava provenientes de erupções registadas, já após o povoamento da ilha. Receberam o nome de "mistérios" por não ser conhecida explicação para os fenómenos vulcânicos e, sobretudo, porque as erupções destruíram apenas os terrenos de cultura, tornando-os improdutivos.

(Foi penoso o processo para a efectuar esta postagem. O blogger está a dar imensos erros e funciona a uma velocidade insustentável. Não foi possível as habituais hiperligações aos autores das fotografias. Desde já esclareço que foram todas retiradas da Web, estando algumas já identificadas. Aceito sugestões para continuar a postar sobre a ilha montanha, por considerar que existem outras curiosidades que aqui não foram referidas.)

19 fevereiro, 2006

Como as ONGAS são Percebidas?

( Calheta dos Biscoitos)
Durante dois meses, aproximadamente, esteve exposto neste blog um inquérito sobre o papel das ONGAS(Organizações Não Governamentais Ambientais) como organismos de influência de atitudes pró-ambientais junto das populações.
A questão era:
As acções das ONGAS têm impacto junto das populações, face aos actuais problemas ambientais?
Dos 18 inquiridos:
  • 5% consideraram que estas organizações não possuem nenhum impacto sobre as populações, porque estas desconhecem as suas acções;
  • 61% referiram que as ONGAS possuem fraco impacto nas populações na assunção de atitudes pró-ambientais, porque não se sentem verdadeiramente envolvidas, apenas ficam sensíveis à natureza das acções promovidas.
  • 22% acharam que estas organizações possuem impacto significativo nas populações, relativamente à avaliação dos problemas ambientais e, consequentemente, modificam os seus comportamentos.
  • 15% entenderam que existe uma relação directa entre as mudanças de atitude das populações face ao ambiente e as acções desenvolvidas pelas ONGAS.

Não constituindo uma amostra de grande amplitude pode-se, no entanto, verificar que existe ainda um distanciamento, por parte das populações, face às acções que estas organizações ambientalistas desenvolvem em defesa do ambiente.

Por fim, quero agradecer a todos quantos generosamente contribuiram para a realização deste inquérito

12 fevereiro, 2006

Contra a Extracção de Peles!!!

13 de Fevereiro dia Internacional de Protesto...

Contra as indústrias de peles!

Contra os abusos perpetrados aos animais!

(Texto da autoria do blog Mundo Animal2)


A indústria de peles é uma das indústrias mais cruéis do mundo, sendo a China a fonte mundial da maioria dos produtos de pele.


Na ausência de qualquer legislação ou controle governamental, animais na indústria de pele Chinesa são sujeitos às mais extremistas formas de abuso.

Investigações feitas em fazendas de pele na China expuseram metodos chocantes de colocação de armadilhas, transporte, confinamento e matança.

Entre as espécies usadas estão incluidas, não apenas as tipicas fornecedoras de pele como os coelhos, as raposas, os minks, e os raccons, mas tambem cães e gatos domésticos- cuja pele é chamada de propósito de outros nomes e exportada como pele de outras espécies.

Mais de 40 milhões de animais são mortos cada ano para o uso de suas peles


(post de protesto em uníssono com: http://mundoanimal2.blogspot.com//)

Para mais informação sobre a indústria chinesa de pele - por favor consultar estes
websites:
fourrure-torture.com
furkills.org
furisdead.com - investigações em fazendas de pele na China
petatv.com - Video. Atenção: imagens chocantes

04 fevereiro, 2006

Açores... Cenários Edílicos

(Grupo Central Cont.)

A Ilha Branca "Graciosa"



Também conhecida por ilha Branca, devido às pedras brancas, barro branco e serra igualmente branca, possui 61,66 Km2 de superfície. De clima temperado, é a ilha menos húmida do Arquipélago.
O verde das árvores que cobrem os montes, as vinhas, a tranquila convivência com o mar, com recantos de rara beleza... fazem sonhar quem a visita.
A Caldeira da Graciosa é um exlibris da natureza, classificada como Monumento Natural Regional, possui uma importante caverna lávica com 194m de comprimento e na zona central 40 m de altura.
Essa caverna lávica compõe-se de uma Furna de Enxofre. Um fenómeno único no panorama vulcanológico mundial.

É A sua origem está associada a uma fase efusiva intracaldeira, que envolveu a formação de uma lago de lava, formando um túnel de cerca de 100 metros de profundidade.

A descida ao interior da furna efectua-se por uma escadaria de pedra construida no princípio do Séc. XX, onde se pode observar uma enorme gruta, com abóbada de 80 m de altura, revestido de estalactites, e um lago subterrâneo, de água fria com cerca e 130 m de diâmetro e 15 m de profundidade máxima. Existe também uma fumarola de lama que liberta gases difusos de dióxido de carbono, podendo afectar a saúde dos visitantes. Por esse facto, as visitas são monitorizadas.
Um outro aspecto de importância extraordinária da Graciosa é o ilhéu da Praía, classificado como Zona de Protecção Especial , a partir da Directiva Aves, no âmbito da Rede Natura 2000.
Ilhéu da Praia

"Pequeno ilhéu constituído por formações piroclásticas e escoadas lávicas subaéreas. Os fundos circundantes, constituídos por escoadas lávicas apresentam-se parcialmente recobertos por blocos e pequenas manchas arenosas nas zonas deprimidas." (Universidade dos Açores).

Incrustado no oceano, o ilhéu possui de altitude 51 m e 1521 de linha de costa. Constitui uma formação basáltica com 11 hectares de área, albergando uma elevada diversidade de aves marinhas dos Açores, que aqui nidificam.É também ponto de escala para aves migratórias que cá vêm para se alimentarem e repousarem. Por exemplo: o Garajau-rosado, o Garajau-comum, o Cagarro... ainda outras, tais como:

A Alma-negra

O Borelho-de-coleira-interrompida

A rola do mar

O Pilrito-das-praias

... o angelito, o frulho, o maçarico-galego e o maçarico- de -direito. Aves de rara beleza e delicadeza que têm vindo a sofrer uma redução nas suas colónias, devido à existência de um pequeno porto no ilhéu, que facilita o acesso para actividades de lazer e pesca.
Um outro ilhéu de importância patrimonial é o...
Ilhéu de Baixo, Restinga

Possui uma área de 243 ha e tem uma altitude máxima de 178 m. Compõe-se de restos de vulcões com pequenas enseadas e baías, recifes e pequenos rochedos emersos, vegetação anual das zonas de acumulação de detritos da maré, grutas marinhas submersas ou semisubmersas.
A flora dominante é a corallina officinalis e Pterocladia violacea(?), tendo sido encontradas perto de 71 espécies.
Corallina officinalis

Pela sua riqueza , este local, foi classificado como Sítio de Interesse Comunitário, através da Directiva Habitats a 28 de Dezembro de 2001.
Os ilhéus de Baixo também são conhecidos por ilhéus do Carapacho, por se situarem no prolongamento da...
Ponta do Carapacho

Ao longo da linha costeira existe também uma nascente de água termal, que é procurada por muitas pessoas para banhos.

Uma ilha rica em simplicidade e harmonia. Um canto que no mar irradia encanto.
(A alteração que efectuei à parte final do post foi sugestão do desambientado ,ao qual agradeço)
fotos de:
Dia Internacional de protesto contra a cruel industria de extração de pele de animais da China.

Este blog apoia a iniciativa do blog Guerreiros do Arco Íris e do blog Mundo Animal.